Seca do Rio Mississippi: impactos na cadeia do agronegócio

O Rio Mississippi está passando pela pior seca em 30 anos, prejudicando o transporte de commodities da região. Entenda mais sobre o tema!

29 de novembro de 2022

Hedgepoint Global Markets

Na cadeia do agronegócio, o que acontece em qualquer lugar do mundo pode impactar em diversas outras regiões e continentes. Os fenômenos naturais, incontroláveis pelo ser humano, são ainda grandes desafios para os que trabalham no mercado de commodities.

Chuvas, enchentes, secas, calor extremo, geadas, tornados e outros eventos meteorológicos podem impactar diretamente na produção de alimentos – vegetal ou animal – e consequentemente em seu valor de mercado.

Sendo assim, quem atua na cadeia de commodities precisa estar sempre atento ao clima, às estações do ano e aos efeitos das mudanças climáticas não só aqui, mas no mundo todo.

É o caso da atual seca no Rio Mississippi, que nasce no norte do estado de Minnesota, atravessa os Estados Unidos e lança suas águas no Golfo do México, após percurso de 3.800 km. É o maior rio do país e o principal canal de transporte de grãos (via barcaças) para exportação global.

O que está acontecendo no Rio Mississippi?

O Rio Mississippi registrou baixas nos níveis de água como não se via há mais de 30 anos. Outubro já costuma ser um mês ocorrem poucas chuvas nos Estados Unidos, mas neste ano, a falta dela provocou uma seca que atinge principalmente o Vale do Rio Ohio e o Alto Mississippi – no meio oeste e região dos lagos.

Com isso, já  diversos casos de barcaças encalhadas em bancos de areia, pois não há profundidade suficiente para navegar, e rompimentos nos cabos que ligam reboques e barcaças.

Para piorar a situação, as perspectivas para os próximos meses não são boas. O inverno e o frio se aproximam no hemisfério norte e não há previsão de chuvas, por enquanto, agravando a seca que já está atingindo 59% do país.

Por que a seca do Rio Mississippi impacta no mercado de grãos?

O Rio Mississippi é o maior não apenas dos Estados Unidos, mas também de toda a América do Norte. Por ele, são transportados pelo menos dois terços dos grãos exportados por via marítima nos EUA.

Normalmente, durante o último trimestre do ano (período entre outubro e dezembro) seria comum ver cerca de 40 barcaças – sendo que cada uma tem capacidade para transportar o equivalente a 15 vagões e 60 semirreboques. Mas no mesmo período, em 2022, a média baixou e é de apenas 24 a 25 por vez, dependendo do nível de água.

Quanto mais baixo o nível das águas do rio Mississippi, mais alta a influência desse problema sobre as cotações do milho na bolsa de Chicago. Os preços para o transporte fluvial mais do que dobraram em questão de semanas e não pararam de subir durante o período de colheita.

O custo para envio de uma tonelada chegou a triplicar de valor em alguns momentos. Agricultores, produtores e outros relacionados à cadeia de commodities correm para garantir o transporte ou buscar outras vias de escoamento, como ferrovias, por exemplo. Mas já encontram dificuldades em encontrar trabalhadores, pois a demanda subiu muito.

Quando ocorrem mudanças como esta no transporte de grãos, principalmente de soja e milho, que são os que mais utilizam o Mississippi, o que pode acabar acontecendo é que os preços da soja perdem pontos na Bolsa de Chicago enquanto os prêmios disparam no Golfo do México.

Como a seca do Rio Mississippi impacta o mercado de grãos?

Atualmente, três maiores produtores de soja do mundo são: Brasil, Estados Unidos e Argentida, sendo o ranking (em toneladas por ano, segundo levantamento do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos [USDA] de 2021),

  • Brasil – 127 milhões de toneladas
  • Estados Unidos – 121,5 milhões de toneladas
  • Argentina – 43,9 milhões de toneladas

Seguidos por China, Índia e Paraguai.

Na relação de maiores produtores de milho, os primeiros colocados do ranking são:

  • Estados Unidos – 382,8 milhões de toneladas.
  • China – 272,5 milhões de toneladas.
  • Brasil – 116 milhões de toneladas.

Seguidos por União Europeia, Argentina e Ucrânia.

Outros países podem ser chamados para suprir o gap da demanda dos Estados Unidos.  A China, que é a maior consumidora de soja do mundo, costuma importar tanto do Brasil quanto dos Estados Unidos, sendo que, neste período do ano dá preferência para o país norte-americano por ser época de colheita e ter preços mais atrativos. Porém, levando em consideração todo o cenário atual, comprar do Brasil pode ser a melhor opção.

Além disso, o Brasil já está se preparando para o período de colheita, em janeiro, quando há expectativa de um número recorde. Mas toda a cadeia precisa estar atenta às mudanças no cenário com a imprevisibilidade do clima e alterações no apetite chinês sendo os principais fatores a serem monitorados.

Como se proteger das oscilações de mercado com uma estratégia de hedge?

Com tantas variações que afetam o instável mercado de commodities, é imprescindível contar com um planejamento que dê segurança e mais previsibilidade para o futuro dos negócios.

Utilizar a estratégia de hedge é a melhor opção para evitar surpresas desagradáveis na programação financeira de quem trabalha na cadeia de commodities. Especialidade da hEDGEpoint, este mecanismo opera como uma espécie de seguro contra as variações de preços do mercado, reduzindo os riscos nas transações.

A hEDGEpoint alia o conhecimento de especialistas, que conhecem o campo e suas inúmeras  soluções em gestão de risco por meio de tecnologias e consultoria customizada para oferecer sempre a melhor experiência em operações de futuros.

Estamos presentes nos cinco continentes, sempre preparados para atender a qualquer momento e em qualquer lugar. Entre em contato com um consultor para saber mais sobre como utilizar este instrumento a favor dos seus negócios.

Fale com um especialista da  hEDGEpoint 

 

 

O melhor conteúdo de gestão de risco de commodities entregue no seu e-mail!

Inscreva-se

Follow Us

 

Follow Us

   

hEDGEpoint ©️2021. All rights reserved.

Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from - Youtube
Vimeo
Consent to display content from - Vimeo
Google Maps
Consent to display content from - Google