Macroeconomia: setor imobiliário chinês e efeitos no mercado de commodities

Especialistas da hEDGEpoint explicam qual a situação atual do setor imobiliário chinês e como esse cenário poderá afetar o mercado de commodities globalmente.

19 de Julho de 2023

hEDGEpoint Global Markets

O setor imobiliário chinês é extremamente importante para a macroeconomia a nível local e global, representando cerca de 30% do PIB (Produto Interno Bruto) da China. Só para você ter ideia, é um ramo que representa aproximadamente um terço da produção econômica da nação.

O mercado global tinha uma expectativa alta com a reabertura econômica da China e o fim da política de “Covid Zero”. Porém, a economia do país não vem crescendo no ritmo esperado.

Neste conteúdo, vamos falar sobre os principais aspectos que levaram a nação chinesa à crise no setor imobiliário e quais são os possíveis efeitos para a cadeia global de commodities. Convidamos Alef Dias e Victor Arduin, Analistas de Inteligência de Mercado da hEDGEpoint Global Markets, para falarem sobre esse assunto.

Continue a leitura e descubra!

Qual a situação atual do setor imobiliário chinês?

Em 1998, a China passou por uma reforma imobiliária que deu origem a um mercado que se expandiu rapidamente. Nos últimos 20 anos, o campo imobiliário se beneficiou das facilidades de crédito para crescer de modo acelerado.

Além disso, houve influência dos fatores culturais, já que um dos pré-requisitos dos chineses para casar está fortemente associado à compra de uma casa. As famílias também realizam a aquisição de propriedades como forma de investimento.

Contudo, o acesso facilitado ao crédito elevou a especulação imobiliária e o endividamento do setor.  A consequência? Muitas empresas passaram a  enfrentar problemas de financiamento e de endividamento, elevando a desconfiança entre consumidores e investidores. Isso, somado a uma estrutura demográfica desafiadora, levou diversos projetos a serem paralisados em 2022, ano marcado pela queda de 24% nas vendas do ramo imobiliário.

Alef Dias, Market Intelligence Analyst

“O mercado imobiliário chinês apresenta o problema de endividamento das empresas, o que vem ocorrendo com mais intensidade desde 2021. O governo não está concedendo estímulos, pois deseja evitar a especulação financeira”, explica Dias.

Fim da política de “Covid Zero” e reabertura econômica

Desde dezembro de 2022, o governo chinês encerrou abruptamente a sua política chamada “Covid Zero”, que consistia em aplicar medidas de quarentena, além de testes em massa da população. As regras incluíam confinamentos rigorosos, com fechamento de lojas, escolas e empresas.

No ano passado, a China obteve uma das piores taxas de crescimento em quatro décadas, conforme dados oficiais. As restrições de saúde levaram várias pessoas a evitarem atividades de lazer, o que reduziu o consumo. Muitas fábricas e empresas também precisaram fechar.

Os especialistas da hEDGEpoint destacam que a reabertura econômica da China, após o fim da política de “Covid Zero”, não tem gerado o crescimento econômico esperado e isso também se relaciona com a crise no setor imobiliário do país:

Victor Arduin, Market Intelligence Analyst

“Esperava-se a reabertura de forma intensa, mas não foi o que ocorreu. O mercado chinês não está suficientemente aquecido com os incentivos fiscais e monetários atuais”, comenta Victor Arduin.

Cenário global: desaceleração com taxas de juros em alta

O mundo inteiro está desacelerando economicamente por conta das taxas de juros bastante elevadas, o que provoca consequências como o encarecimento de crédito para pessoas físicas e empresas, comprometendo o ritmo da atividade econômica. Assim, fica mais caro solicitar dinheiro para comprar bens e serviços, o que poderá diminuir a produção e a demanda, retardando toda a economia.

Uma inflação mais alta do que o previsto, sobretudo nos Estados Unidos e nas principais economias europeias, está provocando um aperto das condições financeiras mundiais. Como medida para enfrentar esse contexto e estimular o mercado doméstico, a China diminuiu as suas taxas de juros.

“A China baixou a taxa de juros de forma muito pequena. Isso sinaliza uma preocupação do governo em não causar nervosismo no mercado ou especulação de preços, mas tendo um impacto limitado em impulsionar a demanda por moradia e investimento”, pondera Arduin.

Como a desaceleração global impacta a China?

Quando há desaceleração econômica na Europa e nos Estados Unidos, como estamos vendo atualmente, o setor industrial chinês poderá sofrer consequências mais diretas do que o setor imobiliário em si, que já enfrenta seus problemas próprios. Segundo Arduin, isso acontece porque os países europeus, por exemplo, poderão importar menos bens da China, caso a sua população passe a consumir menos:

“Sem essa importação europeia, a China produzirá menos, desacelerando as vendas e, consequentemente, a sua economia”, elucida o especialista.

Quais as consequências para o mercado de commodities?

A reabertura chinesa não obteve o impacto esperado, principalmente quando falamos em demandas por commodities. Isso se explica, em grande parte, pelo fato de que a recuperação se concentrou no setor de serviços.

A China é a principal demandante de diversas commodities do mundo todo, principalmente de grãos e energia. Quando se tem previsão de retomada econômica, há expectativa por maior demanda dessas commodities, principalmente no caso da energia, já que as pessoas tendem a sair mais de casa. Os mercados esperavam por isso, mas não foi o que se verificou.

Isso ocorre porque, em um cenário de maior atividade econômica, há estímulo para produção de bens que precisam de importações de commodities para o seu desenvolvimento. Alef Dias explica a relação:

“O setor imobiliário não obteve o mesmo desempenho quando comparado ao de serviços. Um exemplo prático: a própria construção em si necessita de mais tratores. Tratores consomem combustíveis e, se houvesse maior construção e aquecimento do setor imobiliário, levaria a um provável aumento de demanda por petróleo, por exemplo”.

Victor Arduin destaca que o desaceleramento da China em relação à demanda por commodities não é homogêneo, pois se observa recorde nas importações de petróleo nos meses de março e maio deste ano.

“Observamos que o país tem se beneficiado da guerra entre Rússia e Ucrânia, aproveitando os descontos do petróleo russo e melhorando a margem de ganhos dos seus produtos refinados”, completa.

Importações de petróleo bruto da China.

hEDGEpoint

Fonte: hEDGEpoint Global Markets

Setor Imobiliário: perspectivas para o segundo semestre de 2023

A perspectiva é de aumento dos estímulos por parte do governo chinês:

“Esperamos um aumento desses incentivos por parte do governo chinês, mas provavelmente não será com a magnitude necessária para proporcionar um crescimento forte e compensar toda a desaceleração que estamos vendo no Ocidente”, comenta Alef.

A análise da hEDGEpoint evidencia que o governo chinês está se mostrando mais favorável para conceder estímulos monetários. O problema é que o corte de juros corre riscos de ser menos eficiente do que um estímulo fiscal, como os investimentos em novos projetos para o setor imobiliário.

Segundo analistas do banco Goldman Sachs, também é provável que a China implemente mais medidas de flexibilização no segundo semestre, incluindo:

  • Novos cortes nas taxas de juros;
  • Mais emissões de títulos;
  • Apoio imobiliário.

Porém, a perspectiva é de uma recuperação gradual e equilibrada do mercado imobiliário, evitando o superaquecimento, como aconteceu em ciclos anteriores.

Como o gerenciamento de riscos pode atuar neste cenário?

A hEDGEpoint está acompanhando todos os acontecimentos que podem afetar a macroeconomia e repercutir no mercado de commodities. Assim, conseguimos oferecer soluções de gerenciamento de risco de forma estratégica para os nossos clientes.

Entender todos os fatores capazes de impactar o setor de commodities é essencial para trazer mais segurança e proteção aos negócios. Com base em inovação, insights valiosos e inteligência de mercado, a hEDGEpoint fornece produtos de hedge importantes para o planejamento eficaz e a tomada de decisões assertivas.

Fale com um especialista da hEDGEpoint e saiba mais!

O melhor conteúdo de gestão de risco de commodities entregue no seu e-mail!

Inscreva-se

Follow Us

 

Follow Us

   

hEDGEpoint ©️2021. All rights reserved.

Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from - Youtube
Vimeo
Consent to display content from - Vimeo
Google Maps
Consent to display content from - Google