Mercado do trigo: cenário na Argentina e no Sul do Brasil

Especialistas da hEDGEpoint explicam o cenário atual da safra de trigo na Argentina e no Sul do Brasil, com destaque para as perspectivas deste mercado.

26 de Junho de 2023

Hedgepoint Global Markets

No Brasil, o mercado do trigo é marcado pela dependência de importações. O país também vem recebendo destaque devido à produção em ascensão na Região Sul. A Argentina, por sua vez, sempre foi o principal exportador de trigo para a nação brasileira, mas a safra 2022/23 dessa commodity agrícola sofreu impactos pela seca extrema.

Segundo o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), a produção brasileira de trigo, na safra 22/23, tem previsão estimada de 10,4 milhões de toneladas, tornando-se o 14ª maior produtor mundial. Andrey Cirolini, Relationship Manager da hEDGEpoint, reforça o bom desempenho do Rio Grande do Sul para esse resultado: “A área de plantio aumentou consideravelmente neste estado, saindo de 1,165 milhão de toneladas para 1,5 milhão”.

Na Argentina, a produção chegou a 12,4 milhões de toneladas na safra 22/23 de trigo, o que representa 8,1 milhões abaixo das projeções iniciais. Além disso, são 10 milhões de toneladas a menos que o recorde de 22,4 milhões de toneladas da safra anterior, ou seja, uma queda de 45%. Sol Arcidiácono, Sales Head Desk da hEDGEpoint, aponta que o clima contribuiu para a redução expressiva:

“Foi um panorama complexo, ocorrendo falta de chuvas, com seca severa que afetou toda a região produtiva da Argentina e impediu o bom desenvolvimento das lavouras”, explica.

Safra de trigo 22/23 marcada por seca histórica na Argentina

A situação de estiagem na Argentina definiu a safra 22/23 de trigo como a pior dos últimos anos. Devido ao clima irregular, muitas áreas não foram plantadas. A presença de seca rigorosa está fortemente associada ao La Niña, que durou três anos e chegou ao fim em março de 2023.

Esse fenômeno causa um resfriamento do Pacífico e é capaz de alterar o regime de chuvas e as temperaturas em todo o planeta, com efeitos em diversas culturas. No país argentino, afetou consideravelmente a produtividade do trigo semeado no final do inverno de 2022.

Conforme divulgado pelo USDA, as exportações de trigo na temporada 22/23 estão previstas em 5,8 milhões de toneladas, com destino principalmente para o Brasil, Indonésia e demais países da América Latina. A BCR (Bolsa de Comércio de Rosário) indica  que a queda na produção total do grão deve ter consequências significativas nas receitas: os embarques ao exterior estão projetados em 5,6 milhões de toneladas, um número 40% menor do que na safra de 21/22.

No gráfico, exibimos as estimativas de exportações mensais de trigo nas safras de 2021/22 e 2022/23 e o preço médio mensal FOB:

BCR Mercados com base em dados de INDEC e NABSA

Fonte: BCR Mercados com base em dados de INDEC e NABSA

Para Sol Arcidiácono, o ano foi um dos mais difíceis aos produtores argentinos, com quebra de expectativa e necessidade urgente de recuperação. Muitos haviam, inclusive, vendido a produção de forma antecipada. Contudo, não puderam cumprir diversas dessas vendas, que se prorrogaram para a próxima safra:

“As vendas dos produtores para o ciclo que está sendo plantado atualmente estão em mínimos históricos. Isso se deve aos preços consideravelmente mais baixos e ao desafio climático da transição do ano do La Niña para o El Niño. As reservas de umidade estão em baixa, e as chuvas não devem melhorar até a primavera. Os produtores não se sentiram confortáveis ​​com a aceleração das vendas. A incerteza política também é outro fator, já que é ano eleitoral e não há candidato favorito”, explica a especialista da hEDGEpoint.

O gráfico ilustra a fala de Arcidiácono, exibindo as vendas de produtores até a semana de 24 de maio de 2023:

Fonte:Secretaria de Agricultura da Argentina | hEDGEpoint Global Markets

Fonte:Secretaria de Agricultura da Argentina | hEDGEpoint Global Markets

Região Sul do Brasil: protagonismo na produção de trigo

Apesar da seca histórica da safra de 22/23 na Argentina, o Brasil não sentiu os impactos da seca no país vizinho porque teve sua necessidade de importações reduzida. Segundo dados do 9° levantamento da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), em abril de 2023, para suprir a demanda interna, foram importadas 312,8 mil toneladas de trigo. Esse número representa 26,96% a menos do que em março/2023 e 38,87% a menos do que no mesmo período do ano passado. Do total importado, 54,79% são da Argentina.

A redução se deve ao fato de termos colhido uma safra maior, com a indústria originando principalmente no mercado interno. Andrey Cirolini esclarece: “O Brasil aumentou bastante a produção de trigo até chegar ao recorde de 10 milhões de toneladas. Obtivemos uma quantidade maior de produção, por isso reduzimos também essa dependência. Além disso, a Região Sul ainda exportou quase 3 milhões de toneladas”.

O Rio Grande do Sul é protagonista nesse contexto: na safra 22/23, foram 6,01 milhões de toneladas de trigo produzidas, em um total de 1,6 milhão de hectares. As condições climáticas para o trigo no RS foram importantes para os bons resultados:

“O clima foi favorável para a produção de trigo no Rio Grande do Sul com o La Niña contribuindo para uma primavera seca, o que favorece o cultivo no momento da colheita. Antes, o Paraná ocupava a posição de principal produtor. Porém, nos últimos anos, vem perdendo esse posto para o estado do Rio Grande do Sul. Chuvas no final do ciclo da cultura no ano passado geraram problemas de qualidade no trigo paranaense, provocando a necessidade de exportação de aproximadamente 300 mil toneladas de trigo ração, o que contribuiu para consolidação desse cenário”, pondera Cirolini.

Perspectivas de mercado apontam recuperação argentina

Segundo análise da hEDGEpoint, a perspectiva é de recuperação argentina e retorno do equilíbrio nas exportações para o Brasil na safra de trigo 23/24. Dessa forma, prevê o restabelecimento do funcionamento habitual do mercado.

A estimativa é de que a nação argentina alcance a produção de 18 milhões de toneladas para a safra 23/24, com plantio de 6,3 milhões de hectares, conforme a Bolsa de Grãos de Buenos Aires.O USDA tem uma estimativa mais otimista do que as fontes locais, projetando 19,50 milhões de toneladas.

Veja no gráfico o volume de trigo negociado na nova campanha na semana 18 de cada ano, sobre a área + produção de trigo na Argentina:

Fonte: BCR Mercados, com base de dados da SAGyP

“Na Argentina, o avanço atual do plantio de trigo é de quase 40%, em meados de junho. Há uma expectativa de produção melhor, impulsionada pelo El Niño, que deve trazer mais chuvas no segundo semestre, embora o investimento em fertilizantes seja menor neste ano”, diz Sol Arcidiácono.

Confira o volume de água na camada superficial do solo e no perfil, até 12/06/2023:

Fonte: hEDGEpoint Global Markets

Fonte: hEDGEpoint Global Markets

No Brasil, a safra de trigo da temporada 23/24 foi estimada em 10 milhões de toneladas, conforme informações do USDA. Os estoques foram apontados em 1,83 milhão de toneladas, com exportações em 3,50 milhões de toneladas. Estados como o Rio Grande do Sul e Paraná já estão com áreas semeadas, iniciando o desenvolvimento vegetativo.

É importante observar os possíveis impactos do El Niño na produção da Região Sul. Em Santa Catarina, a Conab sinaliza a expectativa de menor área cultivada e queda de produtividade devido ao fenômeno. Andrey Cirolini destaca:

“Com a chegada do El Niño, haverá risco de mais chuvas nos meses de inverno e primavera, o que pode impactar negativamente na safra de trigo. Desse modo, tanto a produtividade quanto a qualidade das lavouras podem ser afetadas. Precisamos ficar atentos”, elucida o especialista da hEdDGEpoint.

Como se proteger dos riscos desse mercado?

Apesar de todas as previsões realizadas, é importante lembrar que são apenas tendências. Não é possível evitar acontecimentos como mudanças políticas, eventos imprevisíveis, intempéries climáticas e conflitos econômicos a nível local e/ou global.

Em um mercado tão volátil como o de commodities, é importante contar com a gestão de riscos. Na hEDGEpoint, aliamos o conhecimento de especialistas com produtos de hedge que oferecem sempre a melhor experiência em operações de futuro. Os seus negócios recebem análises e insights valiosos para um planejamento seguro, em que são identificadas oportunidades estratégicas.

Fale com um especialista da hEDGEpoint para saber mais!

O melhor conteúdo de gestão de risco de commodities entregue no seu e-mail!

Inscreva-se

Follow Us

 

Follow Us

   

hEDGEpoint ©️2021. All rights reserved.

Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from - Youtube
Vimeo
Consent to display content from - Vimeo
Google Maps
Consent to display content from - Google