Balanço da safra da soja 2022/23 no Brasil e perspectivas do mercado

Pedro Schicchi, Analista de Grãos, Oleaginosas da hEDGEpoint, fala sobre o balanço da safra da soja de 2022/23 no Brasil e as perspectivas do mercado.

15 de Junho de 2023

Hedgepoint Global Markets

A safra da soja 2022/23 entrou na reta final das operações no Brasil. Estima-se a produção total em 155,7 milhões de toneladas. O número representa um acréscimo de, no mínimo, 17 milhões de toneladas produzidas no país, em comparação com a última temporada recorde, segundo Pedro Schicchi, Analista de Inteligência de Mercado de Grãos, Oleaginosas e Pecuária da hEDGEpoint.

Aponta-se também um aumento de 6,1% da área plantada da cultura de soja, correspondendo a uma incorporação de 2,54 milhões de hectares. Os dados estão disponíveis no 9° Levantamento da Safra de Grãos, divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Schicchi destaca que a soja é importante, principalmente, no consumo de farelo de soja como fonte de proteína na alimentação animal, já que é a safra com maior conteúdo proteico por tonelada. Além disso, também é essencial para a indústria de biocombustíveis, tornando a nação brasileira cada vez menos dependente do mercado internacional de combustíveis fósseis.

Neste artigo, explicamos todos os detalhes sobre o balanço da safra de soja 2022/23 no país, quais as próximas perspectivas e por que proteger todas as etapas da cadeia de produção desta commodity.

Estimativas de exportação em alta

As expectativas para a safra da soja brasileira sempre dominam o mercado mundial. Afinal, o país é o maior produtor desta oleaginosa em todo o planeta.

Em 2022, Schicchi aponta que houve queda da produção de soja no Brasil: o número chegou a aproximadamente 125 milhões de toneladas, de uma expectativa inicial de mais de 140 milhões de toneladas, devido à quebra da safra. “Isso aconteceu porque a área plantada cresceu, mas a produtividade caiu”, explica. Mesmo assim, o complexo soja atingiu recorde de receitas: US$ 61,3 bilhões, correspondendo a 38% das exportações do agronegócio, segundo dados do Cepea-Esalq/USP (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada).

Para a safra da soja de 2022/23, o levantamento realizado pela Conab aponta estimativas de volume de exportação em 95,64 milhões de toneladas:

“Até o final de maio, o Brasil exportou 49 milhões de toneladas, máximo no acumulado até este mês. O mercado fala em até 96 milhões de toneladas exportadas em 2023, com 53 milhões de toneladas destinadas para a demanda doméstica. Em 2021, havia sido registrado o último recorde, com exportação de 86 milhões de toneladas no ano e 46,4 milhões de toneladas até maio”, comenta Schicchi.

Porém, o especialista da hEDGEpoint indica que há preocupação em relação ao cenário global da demanda de soja, pois está menor do que o da oferta. A consequência? O mercado está pressionado, com os preços da soja em baixa. Até o final do ano, a análise da hEDGEpoint é de que o Brasil exporte 93 milhões de toneladas, um número abaixo do mercado, que fala em 96 milhões de toneladas. Ele explica:

“As indústrias de carne e biocombustíveis aumentaram a demanda doméstica brasileira, com o biodiesel em destaque. Nas exportações, estamos falando em um crescimento de quase 7 milhões de toneladas neste ano, quando comparado a 2021. Mas, ainda assim, esse aumento de demanda não é o suficiente para superar o aumento da produção.”

As expectativas de exportação do óleo de soja subiram para 2,6 milhões de toneladas, alta motivada pela maior venda do produto para o mercado externo no primeiro trimestre de 2023, com elevação de 42,74% quando comparado ao mesmo período do ano passado. Esse aumento é motivado pela quebra da safra de soja na Argentina, marcada por uma seca histórica.

Fatores climáticos: conheça os impactos

No verão de 2023, o fenômeno climático La Niña afetou o início da safra de soja, principalmente no Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul. Mas, foi no Rio Grande do Sul que os problemas continuaram ao longo da safra. Com clima quente e ausência de chuvas, os grãos semeados por volta de outubro e novembro de 2022 apresentaram dificuldade para crescer e amadurecer até a época da colheita, entre janeiro e abril, com perdas e prejuízos.

Já nos meses finais da safra de soja, ocorreu o inverso: as chuvas foram motivo de preocupação. No Rio Grande do Sul, houve atrasos e debulhos devido às chuvas em excesso, o que trouxe consequências no desempenho das exportações, criando um contexto de incertezas. Apesar disso, as regiões Centro-Oeste e Nordeste compensaram as perdas e mantiveram as estimativas de produção em alta.

Informações da Emater-RS/Ascar, divulgadas em 26 de maio, apontam que a colheita de soja atingiu 97% da área cultivada no Rio Grande do Sul. A reduzida ocorrência de precipitações na segunda metade de maio permitiu avanços, mas a presença prolongada de orvalho e neblina resultou em baixo rendimento operacional: muitas horas de trabalho foram atrasadas devido às condições inadequadas, além de grãos com alto teor de umidade.

Nos Estados Unidos, observou-se o fenômeno oposto: a produção corre riscos de ser afetada pela falta de chuva:

“Quando chove muito pouco, começa a ocorrer perda de produtividade no desenvolvimento da safra. Se a chuva for muito alta na colheita ou antes do plantio, haverá atrasos, pois não é possível entrar com máquinas no campo. A soja fica muito mais tempo do que deveria no campo e acontece a perda de qualidade devido ao excesso de chuva”, esclarece Schicchi.

A temperatura também impacta: temperaturas muito frias comprometem a germinação e emergência da planta. Temperaturas acima de 40°C têm efeito adverso na taxa de crescimento, provocando danos à floração.

“Se a temperatura está muito acima do normal, a planta começa a evaporar mais água. Se a disponibilidade hídrica não for suficiente, o grão fica menor e perde produtividade. No Brasil, não costuma haver temperaturas que inviabilizam o crescimento da safra. Isso ocorre em temperaturas abaixo de 10°C, com perdas significativas de produtividade”, elucida Schicchi.

Quais são as perspectivas futuras?

Em relatório do USDA, o Brasil deve seguir como líder na oferta mundial do grão de soja para a safra 2023/24, com 163 milhões de toneladas produzidas e exportações que podem atingir até 96,5 milhões.

Para a oferta mundial de soja do próximo ciclo, o USDA aponta 410,59 milhões de toneladas. A safra norte-americana da oleaginosa começou com expectativas altas, 122,74 milhões de toneladas, porém a seca atual pode reduzir esse número caso persista ao longo de agosto. Já a Argentina deve voltar aos patamares normais, com média de 48 milhões de toneladas.

Schicchi aponta os principais desafios para o próximo ciclo:

“O preço da soja está em queda, mas o de insumos também. O desafio é compreender até que ponto o produtor irá manter o crescimento de área na próxima safra, além da necessidade de equilibrar oferta e demanda, verificando sempre as questões cambiais”, indica.

É importante acompanhar, também, a evolução do El Niño e suas consequências para a safra de 2023/24. Em atualização divulgada no dia 8 de junho, a NOAA (Administração Oceânica e Atmosférica) afirmou que o El Niño está de volta. Com o aquecimento das águas do Pacífico, a agência norte-americana prevê a permanência do fenômeno durante o inverno no Hemisfério Norte, ou seja, durante o verão no Brasil. A probabilidade de se tornar um evento forte está em 56%. Já as chances de pelo menos um evento moderado são de cerca de 84%, segundo a publicação.

Na América do Sul, o El Niño traz calor para a maior parte do Brasil e chuvas acima da média no sul do país. O evento costuma ser positivo para a soja. Já nos Estados Unidos, o El Niño costuma ser mais fraco durante o verão, com efeitos de leve impacto sobre a produtividade.

hEDGEpoint: proteção para a cadeia de produção da soja

As intempéries do clima, acompanhadas também de mudanças políticas e econômicas imprevisíveis, são apenas alguns dos fatores que tornam o mercado da soja volátil. É fundamental contar com um planejamento que ofereça segurança e previsibilidade para os seus negócios no futuro.

A hEDGEpoint tem os melhores produtos de hedge para gerenciar riscos na cadeia global de commodities, pois opera como uma espécie de seguro contra as oscilações de preços. Unimos o conhecimento de especialistas com ferramentas de inteligência de mercado para proporcionar a melhor experiência em operações de futuro.

Fale com um especialista da hEDGEpoint para saber mais!

O melhor conteúdo de gestão de risco de commodities entregue no seu e-mail!

Inscreva-se

Follow Us

 

Follow Us

   

hEDGEpoint ©️2021. All rights reserved.

Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from - Youtube
Vimeo
Consent to display content from - Vimeo
Google Maps
Consent to display content from - Google