A internacionalização do agronegócio brasileiro: evolução e perspectivas

A internacionalização do agronegócio brasileiro é um processo em expansão que alia tecnologia, sustentabilidade e inovação. Leia aqui sobre a evolução do setor!

11 de setembro de 2023

Hedgepoint Global Markets

A internacionalização do agronegócio brasileiro se refere ao processo pelo qual as atividades de produção, processamento e comercialização de mercadorias agrícolas são expandidas para além das fronteiras nacionais.

Esse é um processo em ascensão no Brasil. O país conquistou enorme relevância no mercado global, deixando de ser um importador de alimentos e se consagrando como o maior produtor de soja do mundo. Assim, desempenha um papel crítico no fornecimento de alimentos, destacando-se pela produção de outras commodities como milho, café e açúcar.

O agro brasileiro fechou 2022 com exportações recordes de US$ 159,09 bilhões, crescimento de 32% em relação a 2021, segundo dados do Governo Federal. Os cinco principais destinos dos embarques foram:

  • China: 31,9%.
  • União Europeia: 16,1%.
  • Estados Unidos: 6,6%.
  • Irã: 2,7%.
  • Japão: 2,7%.

A internacionalização do agro proporciona o crescimento econômico e a troca de experiências e conhecimentos. Também, traz a necessidade de adoção de novas tecnologias e práticas sustentáveis.

Continue a leitura para entender como foi a evolução deste setor e qual a importância da inovação ao longo da história!

Trajetória do agro no Brasil: os primeiros anos rumo à internacionalização

Na década de 1950, o Brasil era predominantemente rural: 63,8% do total da população vivia no campo. Esse número caiu para 44% apenas 20 anos depois, devido ao intenso êxodo rural que ocorreu entre 1950 e 1970.

Até a metade do século XX, as regiões rurais brasileiras produziam mercadorias em ciclo, ou seja, a produção se concentrava em torno de um produto específico que concentrava a economia e se destinava à exportação, como o ciclo da cana-de-açúcar (de 1530 até 1700) e o do café (entre 1800 e 1930). A internacionalização do agronegócio brasileiro teve início a partir dos anos 60, com a modernização da agricultura e a diversificação de culturas.

Um novo ciclo expansivo começou nessa época, com a decisão governamental de acelerar e diversificar a industrialização. Para isso, houve investimentos em pesquisas científicas. O governo também aproveitou o contexto de liquidez nos mercados internacionais visando lucrar com os produtos brasileiros.

Todas essas decisões foram fundamentais para elevar as taxas de crescimento do produto nacional entre 1970 e 1980. A demanda de trabalho aumentou, estimulando a migração aos centros urbanos.

Política de industrialização transforma a produção do agro

A política de industrialização que se seguiu mudou totalmente as dinâmicas produtivas no Brasil. O pós-guerra introduziu a meta de desenvolvimento para todas as nações. Surgiram instituições multilaterais, como o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Organização das Nações Unidas (ONU).

Com essa política, a economia brasileira se diversificou e foram criados mercados para os produtos agropecuários. A redução gradual da mão de obra no campo e a maior demanda das cidades por alimentos e outros produtos exigiram a intensificação tecnológica para os produtores. Esse movimento acompanhou o desenvolvimento de pesquisas agrícolas e dos avanços na ciência.

O comportamento dos produtores mudou. No passado, eles avaliavam principalmente o aumento da área plantada. A partir da política de industrialização, o principal objetivo passou a ser a incorporação da tecnologia para elevar a produtividade. O Governo Federal investiu na criação de instituições e leis capazes de fomentar a autossuficiência na produção agrícola.

O Sistema Nacional de Crédito Rural foi instituído em 1965, considerado o principal instrumento de política agrícola e grande responsável pela expansão da economia agropecuária. Em 1972, formou-se a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) para assegurar a modernização tecnológica e aumentar a produtividade.

Tecnificação no século XXI: inovação e aumento da competitividade

No século atual, a produção sofre forte intensificação tecnológica. Só para você ter ideia, uma pesquisa realizada em 2022 pela McKinsey & Company indica que 71% dos agricultores entrevistados usam plataformas digitais em sua jornada de compras. Cerca de 50% dos participantes apontaram já usar ou estarem dispostos a usar tecnologias agrícolas nas suas operações.

A intensificação tecnológica é comprovada pela sua relevância no aumento da produção. No Censo Agro 2017, a tecnologia explicava 46,3% do crescimento do valor da produção. As inovações foram essenciais para corresponder ao aumento da demanda, fornecendo fertilizantes, defensivos, máquinas, equipamentos, sementes e demais insumos que aperfeiçoam a gestão, o processamento e a comercialização.

O processo de tecnificação impacta a eficiência produtiva, o que foi motor do crescimento da produção no Brasil, principalmente de grãos. A aplicação em larga escala de novas tecnologias teve um efeito considerável na melhora da produtividade da terra, pois reduziu a necessidade de expansão da área a ser cultivada.

A agricultura tecnificada está consolidada e integrada aos mercados nacional e internacional. Ela possibilita a produção de forma eficaz, gerando renda e ampliando a capacitação. Além disso, promove alcance global e coloca a tecnologia como força motriz para o desenvolvimento do agro brasileiro.

Além disso, a agricultura tecnificada desempenha um papel crucial na produção, distribuição e disponibilidade de alimentos em quantidade e qualidade suficientes para atender às necessidades da população global. Ao obter eficiência na produção agrícola e ampliar o acesso a diversos mercados, a tecnificação contribui significativamente para a promoção da segurança alimentar.

Isso acontece porque a agricultura tecnificada ajuda a combater a fome e a desnutrição em todo o mundo por meio da diversificação e otimização das culturas produzidas.Também, a adoção de novas tecnologias facilita o acesso a informações sobre práticas agrícolas, preços e oportunidades de negócio.

Práticas ESG são aliadas da internacionalização

A adoção das práticas ESG (Ambiental, Social e Governança, tradução livre do inglês) no agronegócio brasileiro pode desempenhar um papel fundamental na internacionalização.

Segundo a mesma pesquisa que citamos anteriormente, realizada pela McKinsey & Company, os brasileiros são os que mais incluem práticas sustentáveis no agro, como o plantio direto (+ 80% dos entrevistados) e a cultura de cobertura e controle biológico (+ de 60% dos entrevistados).

As práticas ESG são diretrizes que integram preocupações ambientais, sociais e de governança nas operações das empresas. Ao incorporá-las, os produtores brasileiros podem ganhar vantagens competitivas no cenário internacional, como:

  • Acesso a mercados mais exigentes;
  • Melhora da reputação e imagem das empresas do agro brasileiro devido ao estímulo à inovação e eficiência;
  • Busca de melhores práticas na gestão dos recursos naturais e otimização dos processos produtivos e de governança.

Quais as perspectivas para o agro brasieiro em 2023?

Em 2023, a balança comercial do agronegócio iniciou o ano com superávit de US$ 8,69 bilhões. O valor das exportações brasileiras bateu novo recorde: US$ 10,22 bilhões, com alta de 16,4% na comparação com janeiro do ano passado.

Mesmo com a revisão das estimativas do milho e da soja em decorrência dos problemas enfrentados no Sul do país, a produção foi superior à safra anterior, com novo recorde para a soja. Com expectativa de maior participação do milho brasileiro no mercado internacional, o agronegócio poderá encerrar 2023 com contribuição ainda maior na balança comercial total do país.

O acordo que permite à Ucrânia exportar grãos por meio do Mar Negro expirou em 18 de julho. O país é um grande produtor de grãos e oleaginosas. A interrupção de suas exportações corre o risco de aumentar consideravelmente o preço dos alimentos, algo que estava sob controle com o acordo.

O Brasil poderá intensificar ainda mais seu papel no cenário global, oferecendo grãos como o milho, o que já ocorre com a exportação de quase 17 milhões de toneladas de milho brasileiro pelo corredor.

Segundo a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) , o volume da produção brasileira de grãos deverá atingir 317,6 milhões de toneladas na safra 2022/2023 , um crescimento de 16,5% ou 44,9 milhões de toneladas acima da safra 2021/ 22 . Assim, a tendência é ser uma maior safra de grãos já produzida no país.

hEDGEpoint: gestão de riscos para o agronegócio brasileiro

O agronegócio brasileiro ganhou força internacionalmente. A volatilidade dos preços das commodities internacionais se reflete no Brasil e vice-versa. Variações significativas na oferta e demanda da soja brasileira, por exemplo, causam desequilíbrios que impactam todo o planeta.

Muitas commodities agrícolas passaram a ser negociadas em dólares. Variações dessa moeda podem afetar a rentabilidade dos produtores nacionais. A hEDGEpoint está conectada com o mercado global, fornecendo acesso às principais bolsas do futuro do mundo.

Com transparência, conhecimento, tecnologia e uma compreensão sólida das commodities agrícolas e energéticas , oferecemos produtos de hedge para gerenciar riscos deste setor e contribuir na proteção dos negócios da volatilidade .

Fale com um profissional da hEDGEpoint para saber mais.

O melhor conteúdo de gestão de risco de commodities entregue no seu e-mail!

Inscreva-se

Follow Us

 

Follow Us

   

hEDGEpoint ©️2021. All rights reserved.

Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from - Youtube
Vimeo
Consent to display content from - Vimeo
Google Maps
Consent to display content from - Google